Notícias

14/05/2018

CEPED/PR recebe integrantes do Comitê Municipal de Resiliência de Curitiba.

A capital paranaense, primeira cidade do Paraná a aderir a campanha ‘Construindo Cidades Resilientes’ lançada em 2010 pelo Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres (UNISDR/ONU), “está avançando nas etapas do processo de busca pela resiliência”, afirma o diretor do Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres (CEPED/PR), major Eduardo Pinheiro, que recebeu nesta quinta-feira (10), o grupo de servidores que integra o comitê municipal para participar de uma oficina na sede do Centro Universitário, em anexo ao Palácio Iguaçu.

 

Uma reunião para discutir a temática já tinha ocorrido na Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil de Curitiba (COMPDEC), em março, e agora, foi a vez de esclarecer as dúvidas sobre o preenchimento do formulário Scorecard composto por um pouco mais de 100 perguntas cujas respostas vão mostrar em que nível de resiliência o município se encontra. Serve também para que as pessoas envolvidas no processo possam entender qual é a relação com a área em que atuam na administração municipal.  “As oficinas de autoavaliação da capacidade de resiliência em relação às catástrofes surgiram no CEPED/PR para dar apoio aos municípios durante essa etapa”, conta Pinheiro.

 

O comitê foi criado por um decreto municipal em abril do ano passado, e é formado por representantes das secretarias municipais de Saúde, Educação, Obras Públicas e de Defesa social, além da Coordenadoria municipal de Proteção e Defesa Civil, Instituto de Pesquisa e Planejamento de Curitiba (IPPUC), e a Fundação de Ação Social (FAS).

 

Durante a oficina, os esclarecimentos foram dados por pesquisadoras bolsistas do CEPED/PR, a geóloga e mestranda no programa de pós-graduação em desastres naturais da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Fabiane Acordes, e a engenheira ambiental e mestranda em Gestão Urbana da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), Larissa Ferentz.  

 

SCORECARD - Assim como já foi feito em União da Vitória e Campo Largo, o Scorecard - Indicador do UNISDR que avalia a resiliência dos municípios para o atendimento aos objetivos do acordo global Marco de Sendai que visa a redução de riscos entre 2015 e 2030 – começa a ser aplicado também em Curitiba. Essa ferramenta tem 117 questões, e cada uma delas tem seis opções de respostas. Os resultados vão ser usados na elaboração do Plano estratégico de Resiliência, documento que vai conter as ações que a cidade deve desenvolver para alcançar a máxima resiliência a desastres. “Com profissionais interessados, o grupo está muito bem e focado, e logo teremos o diagnóstico de Curitiba que nos servirá de parâmetro para o planejamento municipal em resiliência”, avalia o diretor do CEPED/PR. 

 

Segundo as pesquisadoras do CEPED, o comitê já tinha iniciado o preenchimento do Scorecard, e veio para a oficina só mesmo para alguns esclarecimentos. “A partir de agora, o grupo vai finalizar o preenchimento, e só então, será agendado um segundo encontro para que os resultados sejam apresentados”, explica Larissa. “Eles já tinham analisado a planilha do formulário e começado a preencher, o que tornou a oficina bem dinâmica”, acrescenta Fabiane.   Em algumas questões, os integrantes do comitê deram nota máxima para Curitiba, indicando que a cidade já desenvolve algumas ações de caráter resiliente”, diz Pinheiro.

 

CONSTRUINDO CIDADES RESILIENTES - A adesão à campanha da ONU é conduzida pela Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil (CEPDEC). E o CEPED/PR é o órgão vinculado à Casa Militar que oferece cursos à distância para capacitar gestores e funcionários públicos sobre a gestão de risco de desastres. O Paraná é o único estado brasileiro em que o Centro Universitário de Pesquisa sobre Desastres é conveniado com a ONU para oferecer a qualificação.

 

Por Sara Carvalho, Assessoria de Comunicação CEPED/PR

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.